sábado, 17 de dezembro de 2011

Desassossego


Suas visitas andam frequentes em meu altar,
Batendo à porta como lembrança que não nos deixa partir;
Sal do mar embrenhado no pêlo...

Vêm quando teu cheiro já não se faz presente no algodão dormido;
Quando o banho esfriou a pele,
E a promessa precisa assinar contrato.

Suas visitas andam preenchendo noites vazias,
Carências famintas que não sossegam,
Que não bastam...

Vêm embalando o ruído das paixões antigas,
E sai revirando o sossego dos dias iguais. 


Rayane Medeiros

6 comentários:

  1. Maravilhoso, como sempre eu adorei.. fazia tempo que não vinha aqui. mas sempre me surpreendendo. rs.

    ResponderExcluir
  2. Estava sentindo sua falta por aqui viu rapazinho, volte mais vezes!!! ;*

    ResponderExcluir
  3. Parabéns...lindo

    ResponderExcluir
  4. Nossa ray, perfeito, esse me deixou nostalgico...

    ResponderExcluir